Voltar ao topo.Ver em Libras.
Curta no Facebook:
Tempo em Nonoai - RS:
Tempo em Trindade do Sul - RS:
Tempo em Três Palmeiras - RS:
CPZ NotíciasNotícias de Nonoai e região em primeira mão
Última atualização:18 de setembro de 2019,
às 15:13

Criança de cinco anos é estuprada e morta em Santa Maria#

« Última» Primeira🛈Categoria:Polícia
ImprimirReportar erroTags:online, morreu, joão, diácono, bairro, aconteceu, sido e ter628 palavras42 min. para ler
Criança de cinco anos é estuprada e morta em Santa Maria - PolíciaVer imagem ampliada
Autor do assassinato confessou o abuso seguido de morte

Santa Maria registrou um dos mais bárbaros crimes da sua história na madrugada de sábado (7). 

Perda 10 Kg em 20 dias, Mude a sua Vida! Clique Aqui e saiba como....



Mude de Vida. Clique Aqui.... Emagreça

Uma menina de cinco anos morreu após ter sido vítima de estupro. O crime aconteceu no bairro Diácono João Luiz Pozzobon, numa residência onde moram sete pessoas da mesma família.

A criança chegou a ser levada ao hospital pela mãe, mas não resistiu. A menina teria morrido por asfixia, após o estupro. Ela tinha paralisia cerebral e não conseguiu pedir ajuda. A causa da morte será oficialmente conhecida após a emissão do laudo pericial. 


O crime mobilizou duas delegacias, a da Proteção à Criança e ao Adolescente e a de Homicídios e Proteção à Pessoa. Os policiais levaram todos os familiares da menina para depor e confrontaram seus testemunhos, expondo contradições. A suspeita era de que o autor dos crimes fosse um familiar, já que a residência não foi arrombada. Foi ressaltado também a todos os depoentes que os exames de DNA colhidos poderiam evidenciar a autoria.


— Ao saber disso, um rapaz de 18 anos, parente da menina, confessou o estupro seguido de morte. Ele não tem antecedentes e também não soube dizer por que fez esse barbarismo — relata o delegado regional da Polícia Civil em Santa Maria, Sandro Meinerz. 


O autor dos crimes teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e está recolhido no Presídio Estadual de Santa Maria. A Polícia Civil não fornece os nomes do autor e da vítima para proteger a identidade da criança (como está previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente) e porque o caso está em segredo de Justiça.


Fonte: 


AU Online 

Comentários#