Voltar ao topo.
Curta no Facebook:
Tempo em Nonoai - RS:
Tempo em Trindade do Sul - RS:
Tempo em Três Palmeiras - RS:
CPZ NotíciasNotícias de Nonoai e região em primeira mão
Última atualização:14 de dezembro de 2018,
às 10:43

Votação de mudanças trabalhistas é primeiro teste de reformas de Temer

« Anterior« Última» Próxima» PrimeiraCategoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:magistrado, darcísio, mudanças, legislação, precisa, maioria, simples e presentes588 palavras9 min. para ler
Votação de mudanças trabalhistas é primeiro teste de reformas de Temer - GeralVer imagem ampliada
Aprovado em comissão especial, projeto deve seguir para votação no plenário da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira


Texto do projeto de lei que altera vários pontos da CLT foi aprovado em comissão especial da Câmara nesta terça-feira


Foto: Alex Ferreira /Câmara dos Deputados






Depois da vitória folgada na comissão especial, o governo Michel Temer planeja aprovar a reforma trabalhista nesta quarta-feira (26) no plenário da Câmara. Além de uma demonstração de força política para o mercado, a votação é encarada no Palácio do Planalto como o principal teste de fidelidade da base, de olho em outra reforma mais polêmica, a da Previdência. As informações são de Zero Hora.




Anunciada em dezembro, a proposta trata de alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), com destaque para o acordado sobre o legislado — em casos específicos, acertos entre empregados e patrões prevalecem sobre a le. Quatro meses depois, a expectativa é iniciar a discussão do projeto nesta quarta-feira e aprová-lo, no máximo, até quinta.

Como o tema gera divergências, o debate tende a ser ríspido e longo, com protestos e presença de sindicalistas nas galerias e no Salão Verde — e às vésperas da greve geral convocada para sexta-feira. Nesta terça, na comissão especial, o parecer do relator, Rogério Marinho (PSDB-RN), teve de ser modificado, a fim de atender gestantes, pessoas com deficiência e aeronautas, e sobreviveu a cinco horas de pugilismo verbal entre base e oposição para ser aprovado por 27 a 10. Críticos do projeto garantem que não terá impacto no desemprego, um dos principais argumentos dos governistas.

— O projeto tira direitos trabalhistas. Vai incendiar o país — afirma o líder do PT, Carlos Zarattini (SP).

O placar da comissão aumentou a confiança do Planalto. Diferentemente da reforma da Previdência, que depende de 308 votos em plenário por se tratar de proposta de emenda à Constituição (PEC), as mudanças na legislação trabalhista estão em um projeto de lei que precisa de maioria simples, metade mais um dos deputados presentes.

— Essa reforma vai ajudar a tirar o país da crise. Teremos mais de 300 votos — garante Darcísio Perondi (PMDB-RS).

A intenção do Planalto é cravar mais de 308 votos para indicar que tem condições de também emplacar a reforma da Previdência. Na questão trabalhista, a segurança do governo também advém da pressão de ministros em suas bancadas e dos cargos liberados nos últimos dias. Foi o caso do PSD, que deve apoiar em massa a proposta depois de conversa dos deputados com o ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia). PPS e PR também são alvos de pressão. O PSB, que se posicionou contra o tema, corre o risco de rachar. Nesta terça-feira, na comissão, o partido deu um voto a favor e outro contra o texto.

Se passar pela Câmara, a reforma trabalhista seguirá ao Senado, onde já é alvo da oposição do líder do PMDB, Renan Calheiros (AL). Em vídeo nas redes sociais, ele criticou o projeto, que, segundo ele, "revoga direito, reduz salário, coloca o acordado acima do legislado durante recessão e aumenta a pejotização". Renan já afinou o discurso com o presidente da Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho, Germano Siqueira, com quem se reuniu à tarde. Ao deixar o encontro, Siqueira afirmou que o texto da reforma é atrasado e "joga o país no século 19".

— Se ouvirem a voz das ruas e das urnas, os deputados entenderão que o projeto não representa o voto de quem os elegeu — disse o magistrado.

ZERO HORA

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Comentários