Obs.: a página impressa não é necessariamente idêntica à página exibida na tela.
Voltar ao topo.

Chapecó está entre os municípios com alto índice de infecção pelo Mosquito Aedes Aegypti

AnteriorPróximo
BertuolAnuncie aquibeckerChapecarCapas e CapasJG siteDatchiRádio Sul FMLanchonete Família VieiraFarmáciaGDR SiteDeltha FinanceiraMessiasSaerBrazeiroJornalBertuolDia do Meio Ambiente Foz do Chapecó2º Racha NonoaiBecker
« Anterior« Última» Próxima» PrimeiraCategoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:nenhum, realizar, realizaram, saúde, ministério, solicitação, atendendo e março268 palavras4 min. para ler
Chapecó está entre os municípios com alto índice de infecção pelo Mosquito Aedes Aegypti - GeralVer imagem ampliada
De acordo com o último boletim da Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado (Dive-SC),  73 municípios estão com focos do mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina. Segundo o levantamento, entre 31 de dezembro de 2017 e 23 de junho de 2018 houve um aumentou 48,4% no número de focos em comparação com o mesmo período do ano passado.

O boletim detalha ainda, quais municípios estão entre os grupos com maiores índices. Entre os 17 municípios em alto risco, 15 estão localizados na Região Oeste e dois estão na região da Foz do Rio Itajaí. O mosquito é transmissor de doenças como dengue, febre chikungunya e vírus da zika.

(Reprodução)

Em fevereiro de 2018, 68 municípios receberam orientações para realizar o LIRAa/LIA até o dia 15 de março, atendendo solicitação do Ministério da Saúde. Dos 63 municípios que realizaram a atividade, 17 (27%) apresentaram alto rico para a transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus, 33 (52,4%) apresentaram médio risco e 13 (20,6%) baixo risco.

CHAPECÓ

Em Chapecó, foram registrados 514 focos da dengue em 2016 e 601 em 2017 de acordo com a Prefeitura Municipal. Neste ano, até o momento foram encontrados 742, sendo 70% em pontos estratégicos.

A situação epidemiológica de Chapecó teve em 2016, 3.127 casos investigados de dengue, com confirmação de 820 casos. Já em 2017 foram investigados 507 casos com um caso importado. Em 2018 foram investigados 129 casos, todos com resultado negativo.

Os números de chikungunya são em 2016 foram investigados 166 casos, com confirmação de quatro casos. Em 2017, foram 15 casos investigados com 02 confirmações. Em 2018, 05 casos foram investigados, mas tiveram resultado negativo.

Os casos de Zika registrados em 2016 foram 38 casos e 03 positivos. Em 2017, 03 casos foram investigados. Em 2018, não foi registrado nenhum caso.

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Comentários

AnteriorPróximo