Obs.: a página impressa não é necessariamente idêntica à página exibida na tela.
Voltar ao topo.
Curta no Facebook:
Tempo em Nonoai - RS:
Tempo em Trindade do Sul - RS:
Tempo em Três Palmeiras - RS:
CPZ NotíciasNotícias de Nonoai e região em primeira mão
Última atualização:23 de setembro de 2018,
às 04:53

Bolsonaro sofre derrota no TSE em processo contra pesquisa Datafolha

BertuAnuncie aquiChapecarJG siteFarmáciaDatchiFarmáciaSol SulLanchonete Família VieiraGDR SiteDeltha FinanceiraMessiasSaerJornalBertuolDia do Meio Ambiente Foz do Chapecó2º Racha NonoaiBeckerBecker
« Anterior« Última» Próxima» PrimeiraCategoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:subjetivo, devido, patrimonial, advogado, faz, incluir, consultados e alvo306 palavras5 min. para ler
Bolsonaro sofre derrota no TSE em processo contra pesquisa Datafolha - GeralVer imagem ampliada
Ministro Sérgio Banhos negou o pedido de liminar e rejeitou difamação alegada por defesa de deputado

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou nesta quinta-feira, por unanimidade (sete votos), uma reclamação do deputado e pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL-RJ) contra a empresa de pesquisa Datafolha, a quem acusava de difamá-lo. Em janeiro, o deputado havia tentado impedir a divulgação da pesquisa, que questionava aos entrevistados se tinham conhecimento “sobre denúncias envolvendo o aumento do patrimônio da família do deputado Jair Bolsonaro desde o início da sua carreira política.“

Na ocasião, o relator do caso, ministro Sérgio Banhos, negou o pedido de liminar (decisão provisória) e permitiu a divulgação da pesquisa. Nesta quinta-feira, o plenário do TSE deu suporte ao relator, mantendo a legitimidade do levantamento. A defesa de Bolsonaro alegava que o uso da palavra “denúncias“ despertava no entrevistado um estado emocional contrário ao deputado e era difamatória, uma vez que o político nunca foi alvo de denúncia devido a seu aumento patrimonial. Para o advogado, o uso da palavra “faz incluir no subjetivo dos consultados a ideia de que esse acréscimo teria sido imoral, ilícito, e não fruto do trabalho honesto“.

Banhos rejeitou os argumentos. Para o relator, a palavra “denúncias“ não foi usada em sentido estritamente jurídico, mas em sentido “coloquial e genérico“. Em razão disso, ele concluiu que “o conteúdo da pesquisa não foi suficiente para atribuir à pecha de enriquecimento ilícito ao recorrente Jair Messias Bolsonaro. Da mesma forma, não restou comprovado real prejuízo a imagem política“. Na pesquisa, 66% por cento dos entrevistados responderam desconhecer “denúncias“ sobre o aumento de patrimônio de Bolsonaro e sua família. Outros 18% disseram ter conhecimento e estar mais ou menos informado, enquanto 9% responderam ter conhecimento e estar muito bem informado e 7% disseram ter conhecimento e estar mal informado.

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarCompartilharPin it

Comentários