Voltar ao topo.
Cadastre-se e receba nossas notícias em primeira mão
78
128--
Curta no Facebook:
Tempo em Nonoai - RS:
Tempo em Trindade do Sul - RS:
Tempo em Três Palmeiras - RS:
CPZ NotíciasNotícias de Nonoai e região em primeira mão
Última atualização:26 de maio de 2019,
às 04:18

Ajuda humanitária cruza fronteira de Brasil com Venezuela, diz Araújo#

« Última» Primeira🛈Categoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:agência, quinta, twitter, seu, publicou, bolsonaro, jair e anúncio221 palavras3 min. para ler
Ajuda humanitária cruza fronteira de Brasil com Venezuela, diz Araújo - GeralVer imagem ampliada
Um dos dois caminhões com ajuda humanitária enviado pelo Brasil e pelos Estados Unidos para a Venezuela cruzou a fronteira em Pacaraima (RR), neste sábado (23), e encontra-se em território venezuelano, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

"Poucos minutos atrás tivemos a notícia de que o primeiro caminhão com ajuda humanitária brasileira e americano cruzou a fronteira e entrou no território venezuelano e agora está se vendo como vai ser o descarregamento do caminhão”, disse Araújo em um vídeo publicado por volta das 14h45 no perfil oficial do Itamaraty. "Esperamos que essa ajuda chegue efetivamente ao povo venezuelano”, acrescentou.

Os dois caminhões com ajuda humanitária, com placas e motoristas venezuelanos, partiram na manhã deste sábado, percorrendo os 214 quilômetros até Pacaraima, onde a fronteira do lado venezuelano foi fechada na quinta-feira à noite pelo regime do presidente Nicolás Maduro.

Poucos minutos após o anúncio de Araújo, o presidente Jair Bolsonaro publicou em seu perfil oficial no Twitter uma mensagem em espanhol de apoio ao povo venezuelano: "Fuerza a nuestros hermanos venezolanos! ¡Dios al mando!”, escreveu.

Nos arredores da fronteira, o clima é de tensão, com o registro de manifestações de populares que defendem a entrada da ajuda humanitária na Venezuela. Imagens de TV mostraram o uso de gás lacrimogêneo pelas forças de segurança venezuelana para dispersar manifestantes.


Agência Brasil 

Comentários#