Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Feito!
Erro!

Família de Carazinho: perícia conclui que não havia sangue humano no carro do acusado

Voltar ↖Seguir ↘
Bertuol SupermercadosAnuncie aquiChapecarJG siteDatchiMossi Viagens e TurismoRádio Sul FMFarmáciaLanchonete Família VieiraShalon siteGDR SiteVidraçariaTissiani TelasJornal2º Racha Nonoai
« Última» PrimeiraCategoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:uirapuru, interior, afirmar, possível, provocado, destruíção, estado e devido235 palavras3 min. para ler
Família de Carazinho: perícia conclui que não havia sangue humano no carro do acusado - Geral
Ver imagem ampliada
O desaparecimento de uma família irá completar três meses e ainda provoca muitas dúvidas entre as autoridades policiais e a comunidade Regional. Trata-se do caso que envolve o Roberto Terres, de 46 anos, sua esposa Marcia Johann, de 50 anos, e a filha Maria Johann, de 15 anos, moradores de Carazinho e que foram vítimas de uma emboscada na cidade de Colorado no dia 24 de maio deste ano. 

O Delegado Edinei Albarello, responsável pelo caso e titutar da DP de Colorado, já concluiu o inquérito policial e encaminhou ao Poder Judiciário. O acusado de cometer o crime, Flávio Dienfenthaler Martins, continua preso preventivamente em Carazinho. 

O Instituto Geral de Perícias – IGP entregou os resultados dos exames realizados no veículo Volkswagen Gol da família, que foi encontrado queimado no interior de Mormaço, e também no automóvel do acusado, um Fiat Strada. 

Os peritos constataram que os exames no carro da família foram prejudicados devido o estado de destruíção provocado pelo fogo, não sendo possível afirmar se havia sangue e também perfurações de arma de fogo. 

E no carro do acusado, que num primeiro momento através do exame com luminol foram descobertas manchas de sangue, a perícia concluiu que não havia vestígios de sangue humano no automóvel. Os laudos foram anexados no processo. 

Qualquer informação que leve ao paradeiro da família que está desaparecida pode ser repassada aos telefones 190 da Brigada Militar ou 197 da Polícia Civil.


Fonte: RÁDIO UIRAPURU

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarPin it

Comentários

Voltar ↖Seguir ↘