Atenção!A página impressa é diferente da página exibida na tela do computador.
Feito!
Erro!

Fachin encaminha a Cármen Lúcia pedido de abertura de inquérito contra Temer

Voltar ↖Seguir ↘
Bertuol SupermercadosAnuncie aquiChapecarJG siteDatchiMossi Viagens e TurismoRádio Sul FMFarmáciaLanchonete Família VieiraShalon siteGDR SiteVidraçariaTissiani TelasJornal2º Racha Nonoai
« Última» PrimeiraCategoria:Geral
ImprimirReportar erroTags:hora, durou, informou, ocorreu, parlamentar, iria, assinar e semana369 palavras5 min. para ler
Fachin encaminha a Cármen Lúcia pedido de abertura de inquérito contra Temer - Geral
Ver imagem ampliada
Presidente será investigado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente beneficiar empresa do setor portuário
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin encaminhou à ministra Cármen Lúcia o pedido de abertura de inquérito, feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para mais uma investigação contra Michel Temer, desta vez por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O presidente é suspeito de beneficiar a empresa Rodrimar em uma licitação no porto de Santos, litoral de São Paulo. As informações são do G1.
Em maio, Temer recebeu ligação, que estava grampeada, do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), apontado pela Lava-Jato como representante do presidente.
Na conversa de pouco mais de dois minutos, Loures buscava saber junto a Temer sobre a assinatura de decreto referente aos portos em conversa que durou pouco mais de dois minutos. O presidente informou ao parlamentar que iria assinar o decreto na outra semana. Depois de falar com Temer, Rocha Loures passou a informação, também por telefone, a Ricardo Mesquita, diretor da empresa Rodrimar, que opera no porto de Santos.
O decreto em questão, assinado em 10 de maio, facilitava investimentos privados nos portos. Na conversa ao telefone, o presidente indica o que é uma das principais mudanças previstas no decreto, o aumento para 35 anos de prazos dos contratos de arrendatários, prorrogáveis por até 70 anos.
O caso subiu para o STF para apurar possível envolvimento de Temer, então deputado federal, mas foi arquivado pelo ministro Marco Aurélio Mello.
Janot reiterou, em agosto, a necessidade de investigação, pedindo que novo inquérito fosse instaurado e distribuído livremente entre os ministros do Supremo, o que ocorreu nesta quinta-feira.
Em resposta à Globo, o Planalto afirmou que “houve amplo debate com o setor antes da publicação do decreto de renovação das concessões de portos“. Disse, também, que o assunto “não comportava nenhum sigilo ou informação privilegiada, apenas a publicação do decreto que finaliza o longo processo de negociação entre o governo e o setor empresarial, como é comum e legítimo em uma democracia“.
Por fim, a nota afirma que “só foram atendidos os pleitos das empresas licitadas depois de 1993. Tudo antes disso, que era uma reivindicação de várias empresas, foi rejeitado“.
ZERO HORA

Compartilhar página nas rede sociais:
CompartilharCompartilharTweetarPin it

Comentários

Voltar ↖Seguir ↘